Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

J Q M

Fui jornalista, estive em todo o tipo de competições desportivas ao longo de mais de 30 anos e realizei o sonho de participar nos Jogos Olímpicos. Agora, continuo a observar o Desporto e conto histórias.

J Q M

Fui jornalista, estive em todo o tipo de competições desportivas ao longo de mais de 30 anos e realizei o sonho de participar nos Jogos Olímpicos. Agora, continuo a observar o Desporto e conto histórias.

O Mundial entrou na fase do empata-empata, outrora conhecida como do mata-mata. Ninguém quer perder e poucos têm capacidade de correr riscos para chegar ao triunfo. Os jogos transformam-se em exercícios de xadrez, com a proposta de empate sempre presente nas acções colectivas e nas directrizes dos treinadores. Muita cabeça, muita concentração, nada de erros - que o guarda-redes depois resolve nos penaltis. E assim, depois do feito do russo Akinfeev, foi o croata Subasic quem (...)
O estranho penalti de Cedric, no Portugal-Irão, foi o último assinalado após intervenção do VAR, ao recomendar ao árbitro que revisse a sua decisão inicial de nada marcar. Essa foi a décima chamada ao visionamento do video-árbitro em lances de grande penalidade, das quais somente uma tinha sido revertida, por flagrante simulação de Neymar no Brasil-Costa Rica. Mas depois do lance que fez Portugal perder o primeiro lugar no grupo, mais nenhum pênalti foi assinalado no VAR. Pelo (...)
Com Soares Dias a VAR do Arábia Saudita-Egipto, foi igualado o numero máximo de grandes penalidades assinaladas em campeonatos do Mundo, que estava fixado em 18 desde 1990 e repetido em 1998 e 2002. Quatro dos 18 marcados até agora não foram convertidos. Neste jogo entre nações muçulmanas, foram assinaladas duas grandes penalidades contra os egípcios, mas só a segunda deu golo. Com mais de três minutos de debate entre o árbitro de campo, o colombiano Roldan, e Soares Dias, foi (...)