Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...

  • Pedro Oliveira

    Só para conhecimento, pode eliminar o comentário, ...

  • atitopoteu

    o Bruno Fernandes é bom jogador mas, muito, muito ...

  • Anónimo

    Ora nem mais.



subscrever feeds



Os novos Messi

15.06.19
 


O Valência está eufórico com as exibições de Kang-in Lee no Mundial de sub-20, onde ficou conhecido como o “Messi coreano” e ganhou a Bola de Ouro para o melhor jogador. E o Real Madrid contratou com pompa e circunstância um jovem chamado Takefusa Kubo, apresentado como o “Messi japonês”.



São sinais de que o futebol do extremo oriente evolui rapidamente, como demonstram os inéditos segundos lugares que hoje mesmo o Japão alcançou no Torneio de Toulon (empatando com o Brasil na final) e a Coreia do Sul no Mundial de sub-20 (perdendo com a Ucrânia).



O Youtube propagandeia as qualidades destes futuros Messi orientais e o que vemos é clássico: canhotos, dribladores, dinâmicos, imaginativos, capazes de fazer golo.



Ao contrário do que acontece quando alguém sugere que um jovem português de talento possa aspirar a ser o “novo Cristiano Ronaldo”, ninguém se ofende com estas comparações. Se fazem algum mal, será apenas aos próprios aspirantes, pelo exagero, embora não deixem de pesar nas avaliações de mercado. Lee já está apreçado em 8 milhões e Kubo em dois milhões de euros.



Mas talvez nem seja por isso. Esta proliferação sugere que talvez seja mais fácil aspirar a ser o novo Messi do que o novo Cristiano Ronaldo, pela necessidade de juntar diariamente ao longo da carreira uma enorme carga de trabalho ao talento inato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O melhor do ano foi… Nooooooooo!

 

A minha votação para o melhor jogador mundial de 2017-18 teria sido, pela ordem, em Antoine Griezmann, Cristiano Ronaldo e Lionel Messi. Luka Modric faria parte de uma segunda linha, a par de Raphael Varane, Kylian Mbappé, Mohammed Salah e Harry Kane.

É incompreensível que nenhum jogador francês figure entre os três melhores para a FIFA e acredito que a classificação da Bola de Ouro do France Football, ainda e sempre o prémio individual mais importante e mais justo pela qualidade e isenção do júri, nos dará uma classificação mais próxima da que eu considero ideal.

O meu melhor jogador da última temporada seria, então, Antoine Griezmann. 

Mas pelos critérios que elegeram Modric, defendo que Varane justificou mais do que o croata, apesar de nem sequer ter sido considerado pelo júri da FIFA.

E Salah entra nos três primeiros e ganha o prémio Puskas, do melhor golo, por causa do voto do público, sem o qual teria ficado em 6.º lugar. O egípcio é o primeiro jogador a ficar no pódio dos três melhores sem fazer parte do onze ideal do ano. 

Entre muitos portugueses cresce um sentimento de revolta pela “derrota” de Cristiano Ronaldo que reflecte a habitual cultura desportiva nacional: a culpa é do árbitro. Neste caso, o pensamento dominante é de que não “ganhámos” porque a FIFA é um coito de mafiosos sem escrúpulos, que roubam sempre a favor do Real Madrid… 

Em pelo menos cinco dos últimos 11 anos, aqueles que coroaram Cristiano Ronaldo como o melhor do mundo, FIFA, UEFA e os seus prémios foram justos, honestos e criteriosos. Quem sabe se não voltam a ser e se o português não regressa ao palco a exclamar Siiiiiiiii?

Autoria e outros dados (tags, etc)

O falso Messi

30.06.18

Se Sampaoli realmente consultava Messi antes de tomar as grandes decisões sobre a equipa Argentina, de certo que a ideia de colocar o capitão numa posição de falso avançado-centro, frente à França, teve a concordância do jogador e terá, até, sido alguma vez testada em treinos.

A anunciada eliminação da Argentina, salva à justa na fase de grupos, fica então assinalada por esta bizarra opção táctica de um treinador que baralhou os papéis e se perdeu perante uma oferta enorme: Aguero, Higuain e também Icardi, que nem sequer foi convocado. Qualquer um destes três é melhor do que o falso Messi na posição e ainda melhor se for apoiado pelo próprio Messi, o verdadeiro - como se viu, aliás, no último golo frente à França.

Os treinadores argentinos estavam em grande maioria no começo deste campeonato, por alguma razão: eram cinco à partida e já só sobrevive Pekerman, da Colômbia.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...

  • Pedro Oliveira

    Só para conhecimento, pode eliminar o comentário, ...

  • atitopoteu

    o Bruno Fernandes é bom jogador mas, muito, muito ...

  • Anónimo

    Ora nem mais.



subscrever feeds