Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...





Off record

30.10.18

Para os editores actuais tudo o que vêm à net é publicável. Primeira publica-se, depois interroga-se. Todas as toupeiras são de confiança, excepto se forem identificadas e levadas à Justiça.

Sou do tempo em que as corporações de jornalistas se amofinaram contra a publicação de uma gravação do treinador António Oliveira feita sem o conhecimento deste, por um de vários repórteres numa conversa informal, o polémico "off Record".
Naquele tempo, não havia redes sociais na internet e os editores só publicavam matérias com autenticidade, proveniência e contexto conhecidos, comprovados e credíveis. Não havia toupeiras, mas havia jornalistas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sempre fui céptico do chamado “jornalismo do cidadão” que tanto entusiasmou os editores na última década, incapazes de detectar na natureza humana o perigo da disseminação da mentira, mesmo involuntária, a que hoje pomposamente damos o nome de “fake news”.

As pessoas, pessoas normais sem formação jornalística, vertem para as redes sociais com a mesma falta de rigor com que dissertam à mesa do café e ainda chamam aldrabões aos jornalistas.
Isto para contar uma história curiosa que acabo de ler num blogue em que alguém tentava justificar a falta de confiança incondicional no novo presidente do Sporting: “Nem ao saudoso Presidente João Rocha eu dei o meu Incondicional apoio. Lembro que foi ele que me fez voltar as costas ao clube durante 2 anos por causa do episódio Nene, um jovem avançado muito promissor da Académica que ele aliciou, pondo-lhe nas mãos um Porsche para vir a Lisboa assinar pelo Sporting; faleceu pelo caminho em aparatoso desastre de viação”.
Fact checking:
> Nene promissor avançado de 19 anos da Académica foi aliciado pelo Sporting: certo
> Morreu em aparatoso acidente de viação: certo
> João Rocha era presidente do Sporting: errado.
> Nené morreu na viagem a Lisboa para assinar pelo Sporting: errado
> Morreu a conduzir um Porsche: errado
Factos a corrigir:
> Nene tinha a proposta de um contrato milionário de 1.300 contos pelo Sporting, mas nunca chegou a assinar contrato.
> O presidente do Sporting era Brás Medeiros.
> Nene morreu ao volante de um Austin Mini na estrada de Coimbra para a Figueira da Foz.
E agora a razão por que as memórias são traiçoeiras para os jornalistas e muito mais para os cidadãos comuns: na altura (agosto de 1970), os jornais compararam a morte trágica do jovem jogador da Académica com a do actor James Dean, nos anos 50, este sim ao volante de um Porsche.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...