Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...





Uma das consequências da insólita opção de Bruno Lage de não alinhar a melhor equipa do Benfica na Liga dos Campeões é a necessidade de esperar pelos suplentes de luxo para ver a equipa marcar um golo.

Quatro dos cinco golos do Benfica na Champions, em em cada jogo, foram apontados por suplentes e em alguns casos, até, a passe de jogadores igualmente saídos do banco. Suplentes que deviam ter sido titulares, portanto.

Frente ao Leipzig, Rafa e Seferovic entraram aos 76’ minutos: o português fez o passe, o suíço marcou.

Em São Petersburgo, De Tomás saltou do banco aos 80’ e marcou com um remate de longe.

Na recepção ao Lyon, Pizzi substituiu Rafa aos 20 minutos, por lesão, e apontou o tento do triunfo, aproveitando um erro do guarda-redes.

Ontem em Lyon, Seferovic e Pizzi entraram só na segunda parte: o português fez o lançamento e o suíço voltou a marcar.

Normalmente, os suplentes são responsáveis por menos de 20 por cento dos golos de uma equipa de futebol. Aliás, no campeonato, apenas dois dos 23 golos apontados até agora, ambos por Carlos Vinicius, resultaram de substituições.

Neste caso do Benfica “europeu” de Bruno Lage, a percentagem está invertida: 20 por cento dos titulares, 80 por cento dos substitutos.

Dá para concluir que, se os titulares fossem do mesmo nível dos suplentes, talvez a campanha fosse melhor…

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tavares pobre

18.09.19

Se o futebol do Benfica fosse um restaurante, pela sua grandeza, tradição e qualidade, seria o Tavares Rico. Mas quando chega a hora europeia, das noites de gala, as pratas enferrujam, o cardápio esturra e a adega envinagra.

O Benfica europeu vira Tavares Pobre e serve azias agudas.

O treinador Bruno Lage trocou os papéis na preparação do jogo com o adversário mais forte da Liga dos Campeões, ao escolhê-lo para prosseguir a sua saga de lançamento de jovens da formação do Seixal. A atracção da primeira noite europeia na Luz foi a resposta à pergunta “mas afinal quantos Tavares tem o Benfica?”, em vez de uma equipa bem preparada e confiante, para ganhar os três pontos e os milhões em jogo.

Com duas semanas para preparar o recomeço das competições, o treinador deu prioridade ao Gil Vicente sobre o Leipzig, o que veio a redundar num erro crasso. Se André Almeida, Rafa e Seferovic não aguentavam dois jogos consecutivos, o normal seria que fossem poupados frente ao adversário mais fraco, da Liga Portuguesa, para poderem surgir na máxima força frente aos alemães.

Se a Liga dos Campeões fosse realmente importante para o Benfica, o seu treinador não teria apresentado nesta sétima partida da temporada o onze mais fraco e de menos garantias.

Depois de várias semanas a resistir e responder às críticas sobre a fraca produtividade dos avançados, um jogo de Champions também não seria o mais adequado a mudanças de individualidades e, até, de sistema de jogo, devido às diferentes características de Cervi e Jota, relativamente aos habituais titulares. Não foi, aliás, à toa que Rafa e Seferovic demoraram apenas oito minutos a construir e concretizar o golo de honra.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...