Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

J Q M

Fui jornalista, estive em todo o tipo de competições desportivas ao longo de mais de 30 anos e realizei o sonho de participar nos Jogos Olímpicos. Agora, continuo a observar o Desporto e conto histórias.

J Q M

Fui jornalista, estive em todo o tipo de competições desportivas ao longo de mais de 30 anos e realizei o sonho de participar nos Jogos Olímpicos. Agora, continuo a observar o Desporto e conto histórias.

Neste fim-de-semana jogou-se futebol à capela, com vitórias expressivas embaladas por coros celestiais num ambiente de paz e harmonia. Ninguém desafinou, alguns solistas ofereceram-nos “vibratos” memoráveis e houve direito a bis e “encores” dignos de grandes noites no Coliseu.Ninguém sabe quem foi o autor da metáfora “mete a viola no saco” que genericamente quer dizer, na forma elegante como falam os portugueses, o mesmo que o brutal “fecha a matraca” com que os (...)
03 Nov, 2022

O lema do Seixal

Cresci junto de uma taberna onde os burros paravam automaticamente ao fim do dia para “reabastecimento” no regresso dos cavadores de mais uma jornada no campo e onde havia um letreiro que dizia: “Hoje não se fia, amanhã sim”. Imagino que semelhante cartaz esteja afixado no balneário do Seixal, fora da visão dos inteligentes que escrevem crónicas e análises sobre o dia a dia dos jogadores de Roger Schmidt a trabalhar no campo de jogo: “Hoje não se poupa, amanhã talvez”. (...)
Chefe Schmidt serve agora como prato principal na sua ementa vitoriosa um saboroso e bem temperado bacalhau com todos.Florentino é a batata espessa e nutritiva.Enzo Fernandez, a couve farfalhuda e omnipresente.João Mário, a cenoura, doce e vitaminada.David Neres, o bolbo suculento de múltiplas camadas, melhor que cebolinha.Gonçalo Ramos, o ovo cozido destacado no seu devido lugar, como o de Colombo.Rafa, o azeite e vinagre que faz a cama aos outros e escorre por toda a travessa.E, (...)
Na minha família os Silva terminaram na geração do meu pai e eu acho que todos os portugueses têm Silva no sangue. Portugueses e não só, na semana em que atribuímos o Prémio Camões a um brasileiro chamado Silviano. Esta familiaridade pode ser uma explicação para a empatia fácil e espontânea que tem gerado o jovem central, desconhecido há dois meses, com nome de herói de um qualquer pátio de cantigas benfiquistas e que hoje ocupa o topo das listas de “wannabes” do (...)
Roger Schmidt venceu o seu primeiro clássico em Portugal, contra o adversário mais forte do ano, sem deixar perceber uma centelha de nervos ou um esgar de ansiedade, sempre na sua pose seráfica, atenta, esclarecida e, arrisco dizer, superior.Não faz parte das listas que têm saído nas últimas semanas com os melhores treinadores mundiais, em que figura Sérgio Conceição, mas este jogo vai confirmar uma diferença enorme de, digamos, estilo, que acaba por refletir-se no que a equipa (...)
Uma das consequências da insólita opção de Bruno Lage de não alinhar a melhor equipa do Benfica na Liga dos Campeões é a necessidade de esperar pelos suplentes de luxo para ver a equipa marcar um golo. Quatro dos cinco golos do Benfica na Champions, em em cada jogo, foram apontados por suplentes e em alguns casos, até, a passe de jogadores igualmente saídos do banco. Suplentes que deviam ter sido titulares, portanto. Frente ao Leipzig, Rafa e Seferovic entraram aos 76’ (...)
18 Set, 2019

Tavares pobre

Se o futebol do Benfica fosse um restaurante, pela sua grandeza, tradição e qualidade, seria o Tavares Rico. Mas quando chega a hora europeia, das noites de gala, as pratas enferrujam, o cardápio esturra e a adega envinagra. O Benfica europeu vira Tavares Pobre e serve azias agudas. O treinador Bruno Lage trocou os papéis na preparação do jogo com o adversário mais forte da Liga dos Campeões, ao escolhê-lo para prosseguir a sua saga de lançamento de jovens da formação do (...)
Se Éber Bessa fosse jogador de um grande, estaríamos hoje a discutir acaloradamente por que razão ele é, de longe, quem sofre mais faltas no campeonato português e não se queixa nem insulta a inteligência de ninguém. Estou solidário com o n.º 10 brasileiro do Vitória e aos outros digo o mesmo que as claques quando estão chateadas com a qualidade do futebol: “joguem à bola, artistas, joguem à bola!”. O Benfica começou por se queixar da pressão sobre Rafa no jogo com o (...)
Se Éber Bessa fosse jogador de um grande, estaríamos hoje a discutir acaloradamente por que razão ele é, de longe, quem sofre mais faltas no campeonato português e não se queixa nem insulta a inteligência de ninguém. Estou solidário com o n.º 10 brasileiro do Vitória e aos outros digo o mesmo que as claques quando estão chateadas com a qualidade do futebol: “joguem à bola, artistas, joguem à bola!”. O Benfica começou por se queixar da pressão sobre Rafa no jogo com o (...)
Nas últimas 24 horas, esperei que os acusadores públicos do Benfica no chamado processo e-toupeira revelassem, nos respectivos meios de comunicação, as provas que apregoam conhecer, mas que o Tribunal da Relação não conseguiu apurar para levar a SAD do clube a julgamento. Não que tivesse dúvidas de que, ao fim de mais de um ano, elas não existiam, mas porque uma acusação de corrupção devia obrigar o acusador a ser mais seguro, documentado e sério, para lá das bocas cheias (...)