Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...





Hoje começa a Liga portuguesa e, não tivesse eu preocupações profissionais com o dia a dia do futebol, diria que não tinha dado por isso.

As redes da Liga Portugal divulgam um poster das camisolas à roda do patrocinador e perguntam qual é a preferida - estranha prioridade informativa. As primeiras páginas dos jornais, especializados e generalistas, ignoram totalmente ou apenas assinalam a agenda. O mercado e a vida de Bruno Fernandes estão por cima de tudo.

Quem se queixa de demasiado futebol na televisão, por exemplo, permanece indiferente e descansado pelo “low profile” deste assunto, a remeter apenas para o umbigo de cada clube.

Sim, o Benfica vai esgotar a Luz e pouco interessa o adversário.

Sim, os sportinguistas pensam na viagem à Madeira como se não houvesse amanhã.

Sim, o FC Porto está em transição europeia, com a cabeça nos incentivos orçamentais. Braga e Guimarães também.

Sim, “a arbitragem está muito melhor”, garantem antigos maldizentes dos órgãos federativos.

É o futebol de verão, amigável, europeu, da taça da liga (dizem-me que já começou) ou de campeonato, com jogos para a família, reencontros, confraternizações e “olas” na bancada.

A Liga começa esta noite com um palpitante Portimonense-Belenenses, sabia?

Autoria e outros dados (tags, etc)

O infeliz árbitro, os maus assistentes, os péssimos video-árbitros, seus inqualificáveis dirigentes e todos quantos acham que um erro de julgamento deve ser equilibrado com outro erro igual, incluindo os treinadores beneficiados, tornam o futebol uma actividade patética e sem credibilidade. Por necessidades comerciais, tentam confundir o erro sistemático com uma delirante “coerência de critério”. No futebol, menos com menos só dá muito menos.

No jogo entre o Belenenses e o FC Porto, Carlos Xistra começa por assinalar a mando do VAR um penalti absurdo, por bola na mão de Diogo Leite. E mais tarde, com o jogo a terminar empatado, volta a cair na esparrela num lance idêntico, mas ainda mais absurdo, na grande área do Belenenses.

O treinador do Porto veio aplaudir a coerência: errou uma vez, errou duas, está perfeito. O treinador do Belenenses nem se considerou apto a comentar, com razão, porque parte do princípio que não seria possível errar através do vídeo de segurança.

Sempre achei que a utilização como video-árbitros de juízes incompetentes só poderia ter êxito se ocorresse alguma epifania quando se sentam frente às pantalhas da Cidade do Futebol. Um árbitro mau no campo é um árbitro mau no video, não há milagres.

É o mesmo com um pénalti mal assinalado: um segundo pénalti mal marcado não transforma ambos em bem assinalados. Basta imaginar o que seria esta noite e os próximos dias se ambos tivessem sido apitados contra a mesma equipa.

Hoje, Carlos Xistra, os assistentes, os VAR e os seus dirigentes tiveram uma jornada desastrosa. Pateticamente coerente, mas desastrosa.

Que não se confunda a coerência de repetir os erros como um sinal de “critério”. Quem erra e repete o erro, apesar de todos os meios à sua disposição para o evitar, não é coerente nem tem critério: é apenas incompetente.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...