Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Sim, subscrevo.

  • JQM

    Eu trocaria por Jonas, evidentemente.

  • Jaime Palha

    Não me respondeu, João.

  • Anónimo

    E a trocar, troca por quem?

  • Anónimo

    Moral da história, todos os processos a que o Benf...





Em todos os Mundiais há equipas simpáticas e ingénuas como o Peru que hoje perdeu, injustamente, com a Dinamarca por 0-1. Jogam, jogam, jogam, criam oportunidades, correm muito, mostram talento, como o de um tal André Carrillo com o mesmo nome e velocidade de um jovem que passou pelo Sporting há uns anos, e esbanjam muito. Acabam quase sempre derrotadas por organizações mais experientes e objectivas, como a Dinamarca, liderada por um guarda-redes excepcional como o enorme filho do grande Peter Schmeichel.
Tivemos dois confrontos seguidos entre a Europa do norte e a América do sul em que se fez sentir o factor da continentalidade elevado a tese pelo saudoso Vitor Santos - ainda mais neste Peru-Dinamarca, que deixa os andinos em muito complicada situação, neste regresso de uma ausência de 36 anos, obrigados agora a pontuar no próximo jogo, com a França.
Após os dois primeiros encontros deste sábado, amarrados pelas tácticas defensivas a que obrigavam as diferenças abissais entre as equipas em confronto, soube bem ver um jogo anárquico, corrido, cheio de erros e emoção, apesar da míngua de golos.

Autoria e outros dados (tags, etc)





Comentários recentes

  • Anónimo

    Sim, subscrevo.

  • JQM

    Eu trocaria por Jonas, evidentemente.

  • Jaime Palha

    Não me respondeu, João.

  • Anónimo

    E a trocar, troca por quem?

  • Anónimo

    Moral da história, todos os processos a que o Benf...