Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Moral da história, todos os processos a que o Benf...

  • José Brito

    "Encontram-se ainda vários pedidos para ‘discoteca...

  • Anónimo

    Se as pessoas não estão contentes com o que é "ofe...

  • Anónimo

    Este artigo peca por misturar o que não pode ser m...

  • Marco Hugo

    A lista dos ex-árbitros espiados no caso ‘E-Toupei...





Nos anos em que andei pela NBA, uma das coisas que mais me impressionava era a reacção do treinador na conferência de imprensa assim que chegava a última folha das “stats”, conseguindo,  num flash, fazer leituras preciosas dos números mais relevantes do jogo, normalmente em linha com o sentimento que tinham do que se passara no campo.

Quase 30 anos depois, as folhas de estatísticas ainda não chegaram à Liga portuguesa de futebol, mas é possível acompanhá-las em tempo real em sites especializados, permitindo-nos descortinar nuances que o olho nu do espectador não detecta.

Foi, assim, com agradável surpresa que ouvi o treinador do Boavista referir-se ontem ao número de faltas cometidas pelos jogadores do Benfica (24), retratando uma agressividade que a sua própria equipa não teve, para acabar declarando ser um “dado que, parecendo passar ao lado do jogo, faz toda a diferença”.

Jorge Simão repetia o que já tinha assinalado há um ano na antevisão do jogo com o FC Porto, quando realçou que "o número de faltas" que os jogadores portistas cometiam ”condicionam muito o jogo e a possibilidade de os adversários criarem dificuldades no último terço da equipa também” - isto numa fase de muitos jogos consecutivos em que a equipa de Sérgio Conceição terminava sempre com mais faltas cometidas do que os adversários.

Ao contrário de algumas leituras que o comentário de Jorge Simão ontem sugeriu, de poder estar a criticar o Benfica, percebi que era uma mensagem para a sua equipa: “nós fizemos poucas faltas” (apenas 12).

Só lhe faltou desenvolver um pouco mais a ideia, talvez lembrando que na jornada anterior o Boavista tinha ganho em Portimão, sendo a que cometeu mais infracções (27) entre todas as 18 equipas da Liga.

Com os departamentos dos clubes cada vez mais entregues ao estudo e à ciência, com dezenas de licenciados trabalhando dados para que os chefes de equipa desenhem as estratégias mais adequadas a cada partida, cada vez faz menos sentido aquela sentença de um credenciado comentador televisivo segundo o qual “quem analisa o futebol à luz das estatísticas nada percebe de futebol”.

Autoria e outros dados (tags, etc)





Comentários recentes

  • Anónimo

    Moral da história, todos os processos a que o Benf...

  • José Brito

    "Encontram-se ainda vários pedidos para ‘discoteca...

  • Anónimo

    Se as pessoas não estão contentes com o que é "ofe...

  • Anónimo

    Este artigo peca por misturar o que não pode ser m...

  • Marco Hugo

    A lista dos ex-árbitros espiados no caso ‘E-Toupei...