Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...





Há uns anos, o mais considerado comentador em Portugal disse no seu púlpito que “quem julga o futebol pelas estatísticas não percebe nada de futebol”. Eu, que me considero pioneiro nesse tipo de análise na imprensa portuguesa, a partir de 1983, enfiei a carapuça, não porque reduza a minha observação a esses parâmetros, mas porque julgo que eles indiciam quase tudo sobre a capacidade de um jogador ou de uma equipa e, numa análise alargada, fazem sempre o retrato minucioso de qualquer atleta.

Mas há excepções. Há casos de jogadores com estatísticas excepcionais, que coleccionam triunfos e títulos, mas nunca entram nas contas dos que exaltam a sua sapiência com o sacramental “futebol é isto mesmo” e percebem tudo sem recorrer às estatísticas. Mário Jardel não foi contratado pelo Benfica porque, disse-me um dirigente na altura, “só marca golos”, ou seja, tinha boas estatísticas, mas não saberia jogar!

André Almeida é também um destes casos raros, visto pelos especialistas como um jogador banal apesar dos números excepcionais. No final da sua melhor época de sempre, em que foi o mais produtivo lateral direito do futebol europeu, viu-se ultrapassado por dois laterais esquerdos na equipa-tipo da sua própria Liga. E porquê? Porque tanto Grimaldo como Alex Telles tiveram estatísticas semelhantes, mas jogando noutra posição.

Os técnicos da Liga Portugal não tiveram coragem de escolher entre Grimaldo (34 jogos, 4 golos, 12 assistências) e Telles (33-4-8) e atiraram Almeida (32-2-12) borda fora, sem sequer considerar que jogou menos tempo e custa cinco vezes menos que os outros dois. Arrisco-me a dizer que quem fez esta escolha percebe pouco de futebol e ainda menos de estatísticas.

Podiam tê-lo substituído por Manafá ou Ristovski ou Marcelo Baiano, apesar de terem estatísticas bem piores mas serem excelentes jogadores, mas não: o melhor lateral direito de Portugal é um lateral esquerdo.

Pagava para ver Grimaldo ou Alex Telles, de quem o saudoso Neves de Sousa diria que só têm pé direito para subir ao estribo do eléctrico, fazerem um joguinho de alta competição como laterais direitos. Devia ser hilariante, no mínimo. Mas já vi André Almeida desenrascar-se muito bem como lateral esquerdo (39 jogos, 1 golo, 3 assistências, na carreira) e noutras posições, pois ninguém que perceba de futebol lhe negará a condição de melhor jogador polivalente desde António Veloso.

Por tudo isto, também não tinha entendido a desconsideração permanente que lhe faz o seleccionador nacional Fernando Santos, um treinador a quem as estatísticas triunfais acabam, no final das contas, por justificar as decisões mais incompreensíveis.

André Almeida está numa fila atrás de João Cancelo, Nelson Semedo, Cedric Soares, Ricardo Pereira e Diogo Dalot, pelo menos, mas talvez também depois de Mário Rui e Rafael Guerreiro, que são óptimos laterais esquerdos.

Talvez tenha de nascer dez vezes, como diria outro grande empírico da bola!

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Jaime Palha a 06.07.2019 às 18:26

Certeiro, conciso e acutilante. Parabéns.

Comentar post





Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...