Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Sim, subscrevo.

  • JQM

    Eu trocaria por Jonas, evidentemente.

  • Jaime Palha

    Não me respondeu, João.

  • Anónimo

    E a trocar, troca por quem?

  • Anónimo

    Moral da história, todos os processos a que o Benf...





Oscar Tabarez: 4 Mundiais, 4 qualificações para os oitavos

Se havia dúvidas do diferencial entre Rússia e Uruguai, os sul-americanos fizeram questão de as dissolver e não se pouparam a fazer evoluir a sua consistência colectiva, com vários jogadores a saírem do banco, na primeira oportunidade, para baralhar as ideias ao seleccionador.

Oscar Tabarez aparenta estar cada vez mais debilitado pela doença rara que lhe tolhe os movimentos, mas demonstra um enorme poder de controlo da situação. Como se a fragilidade do velho timoneiro, amparado numa muleta, ainda exigisse mais entrega a uma equipa tradicionalmente lutadora e ambiciosa.

Obviamente a mudança não foi para uma defesa a 3, que alguns anteciparam ao verem Coates e Cáceres com Godin, descansando Jimenez, mas sim para uma alteração no meio-campo, capaz de aproximar mais apoio central aos dois pontas-de-lança, e também com a estreia do lateral Laxalt, igualmente mais ofensivo e responsável pelo segundo golo de hoje.

No meio-campo, com a novidade do novo recruta do Arsenal, Lucas Torreira, ao centro, o talentoso Bentancur pôde actuar mais adiante e foi possível ver um Uruguai mais agressivo no ataque, apesar das dificuldades de Cavani para acertar com a bola e com a baliza - o que veio a conseguir à beira do fim, para fazer o terceiro golo e devolver a Rússia à realidade.

O Uruguai passou a atacar com três, mas continua sem marcar em lances de bola corrida, porque a inferioridade numérica nos últimos 30 metros ainda se notou.

Todos os 5 golos apontados no Mundial nasceram de lances tácticos: um de livre directo, outro na sequência de um livre lateral e três em pontapés de canto. Mas o facto é que, depois de dois jogos de 1-0, a experiência de hoje mostrou-se mais eficaz: o losango rendeu três golos frente ao adversário mais forte.

Por outro lado, a defesa é intratável e não sofreu qualquer golo em três partidas, e sem ter tido até agora necessidade de recorrer a Maxi Pereira, cuja extrema agressividade bem conhecemos em Portugal. E quer Jimenez (que já marcou) quer Godin (que deu origem ao 3.º golo de hoje) ainda jogam um papel fundamental nos lances ofensivos de bola parada.

Psicologicamente o momento é o melhor de sempre: nunca tinha vencido os três jogos da fase de grupos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Imagem de perfil

De HD a 25.06.2018 às 18:15

E nós vamos tirar as teimas da motivação das equipas, já com eles... ou não! :-)

Comentar post





Comentários recentes

  • Anónimo

    Sim, subscrevo.

  • JQM

    Eu trocaria por Jonas, evidentemente.

  • Jaime Palha

    Não me respondeu, João.

  • Anónimo

    E a trocar, troca por quem?

  • Anónimo

    Moral da história, todos os processos a que o Benf...