Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...



subscrever feeds



Não tenho memória de algum futebolista com impacto mediático se fazer acompanhar pela mãe na apresentação num novo clube. Quando são jovens, alguns aparecem com o pai, outros com a namorada, todos com o empresário, mas com a mãe não estou a ver. E, se algum houve, de certeza, não teria 33 anos.

A presença da senhora Dolores Aveiro hoje na sala de imprensa da Juventus a acompanhar a apresentação do filhinho, Cristiano Ronaldo, ofuscando até a presença da namorada, ajuda-nos a explicar a grande incógnita que paira sobre todas as mesas de discussão: como é possível um atleta de 33 anos olhar (e ser olhado por todos) para o futuro como se tivesse 23 e um horizonte de mais cinco ou seis ao mais alto nível e sem perspectivas de quebra de rendimento?

A companhia da mãe num momento tão importante significa que ela está presente em todos os momentos e decisões que conduzem a uma mudança tão complexa como esta.

Ela não estava ali como acompanhante, mas como matriarca - com a responsabilidade da pasta das emoções, a par de Jorge Mendes, o responsável da pasta das finanças.

Cristiano Ronaldo abdicou de muito para ter a vida que tem. Fez muitos sacrifícios e terá trabalhado mais, no aperfeiçoamento técnico e no desenvolvimento fisico, do que qualquer outro futebolista. Mas nunca abdicou da família, da mãe, dos irmãos, do sentido de prole, que agora prolonga para a sua própria família, já com quatro filhos.

É fácil concluir que muito do seu equilíbrio, da sua maturidade, da sua força mental, advém dessa dependência familiar e, até, da disciplina e ordem que a mãe, discretamente, lhe impõe.

Porque nem sempre foi assim. Durante uma década, toda a adolescência, viveu sozinho numa pensão de Lisboa, apartado de uma família madeirense por um oceano intransponível, com direito a um telefonema semanal. Ninguém saberá como isso deve ter sido difícil, embora seja uma situação comum a muitos aprendizes de futebolista, talvez a maioria dos que não tiveram a sorte de nascer nos grandes centros.

A diferença é que ao chegar à idade adulta, em vez de se emancipar definitivamente e usufruir do império desportivo e financeiro que foi erguendo, prosseguindo naturalmente essa vida à distância da família, Cristiano chamou de volta o colo da mãe, particularmente em Madrid, para os seus melhores anos.

Mas hoje, inesperadamente, a mãe de Cristiano anunciou que vai deixá-lo com a própria família na etapa de Turim e regressar à Madeira, cedendo espaço à companheira do filho. Foi talvez a maior revelação da apresentação à Juventus, a acentuar uma mudança substancial, relativamente à vida em Espanha, com consequências imprevisíveis no seu rendimento.

Para seguir, discretamente, mas com atenção.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...



subscrever feeds