Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Sim, subscrevo.

  • JQM

    Eu trocaria por Jonas, evidentemente.

  • Jaime Palha

    Não me respondeu, João.

  • Anónimo

    E a trocar, troca por quem?

  • Anónimo

    Moral da história, todos os processos a que o Benf...





Os amantes do futebol e os donos do negócio não podiam conceber um argumento melhor para o filme do Mundial de 2018: nunca um campeonato do Mundo teve tantos jogos decididos nos últimos minutos. E muito menos que tal fosse o cenário para a terceira eliminação consecutiva de um campeão mundial na primeira fase, a quarta em cinco Mundiais neste século.

No Rússia-2018, são já 13 os resultados alterados depois dos 87 minutos de jogo, com realce para os que implicaram decisões dramáticas nos países apurados para a segunda fase da prova, como aconteceu igualmente no grupo de Portugal e no da Argentina. Na fase de grupos do Mundial do Brasil, houve apenas seis resultados alterados nesse período.

Cerca de 20 por cento dos 110 golos marcados até agora ocorreram depois dos 85 minutos, e uma dúzia deles já nos minutos de compensação, como os dois da Coreia do Sul, em Kazan.  

Hoje, a Alemanha nunca esteve virtualmente nos lugares de apuramento, mas durante mais de meia-hora ficou a apenas um golo de o conseguir e mandar os mexicanos de volta a casa. Muito mal tem de estar uma equipa alemã (que já vencera a Suécia num estertor final, com o livre de Toni Kroos aos 90+5 minutos) para não conseguir marcar um golo à Coreia do Sul.

Em Yekaterinburg, os mexicanos sofreram desesperadamente ao longo de toda a segunda parte, à medida que os suecos iam goleando, mas em mais um golpe de teatro do roteiro dramático deste Mundial os alemães ofereceram-lhes em bandeja, pela segunda vez neste campeonato, a maior das alegrias.

A Coreia desperdiçou várias possibilidades de marcar, num jogo em que os alemães não tiveram intensidade nem coesão colectiva, muito idêntico ao primeiro, com o México, mas o golo só chegou no minuto 90 e com chancela do VAR, uma vez que o marcador estava deslocado, mas o video-árbitro descortinou que a bola vinha dos pés do alemão Kroos.

O final foi patético com o guarda-redes Neuer a actuar como centro-campista, a ser desarmado e  a dar a possibilidade de Son ficar sozinho no outro meio-campo para marcar o golo mais fácil da  carreira. 

Auf wiedersehen.

Pela primeira vez em 80 anos, a Alemanha sai do Mundial na primeira fase. Pela quarta vez em cinco Mundiais do século XXI o campeão não chega aos oitavos-de-final: França em 2002, Itália em 2010, Espanha em 2014, Alemanha em 2018 - uma maldição que, no século passado, só acontecera uma vez, ao Brasil em 1966.

Autoria e outros dados (tags, etc)





Comentários recentes

  • Anónimo

    Sim, subscrevo.

  • JQM

    Eu trocaria por Jonas, evidentemente.

  • Jaime Palha

    Não me respondeu, João.

  • Anónimo

    E a trocar, troca por quem?

  • Anónimo

    Moral da história, todos os processos a que o Benf...