Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...






A selecção vai iniciar dentro de dois meses uma nova competição, a Liga das Nações, defrontando dois adversários de peso, Polónia e Itália, também a sair de campanhas decepcionantes no Mundial. Não vai haver tempo para grandes reflexões nem mudanças radicais, mas a partir desta base de convocáveis é possível projectar alguma evolução, que vá preparando a selecção para a fase de qualificação do Euro 2020, a mais fácil de sempre, pois vai apurar 20 finalistas, mas também já a pensar no Mundial de 2022.



José Fonte, Bruno Alves, Pepe, João Moutinho e Ricardo Quaresma chegaram ou estão a chegar ao momento da retirada. Cristiano Ronaldo afiança que ainda pode fazer muito mais nos próximos anos, mas reclama um enquadramento táctico muito complexo (e dispendioso), tendendo a resolver sozinho cada vez menos e a necessitar de bons parceiros cada vez mais.



Um dos handicaps a enfrentar deve ser a situação dos jogadores que rescindiram com o Sporting, que talvez não estejam ainda em actividade plena em Setembro. Para William Carvalho, talvez já se possa contar com Danilo Pereira. Para Gelson há várias alternativas. Para Bruno Fernandes, idem. Com Bernardo Silva, Adrien e João Mário é possível rever o processo de jogo e construir um novo meio-campo, ao jeito do que jogou na segunda parte frente ao Uruguai.



Vários jogadores que ficaram de fora ou passaram ao lado do Mundial vão ser chamados, nomeadamente os laterais João Cancelo e Nelson Semedo, o central Ruben Dias, os médios André Gomes, Sérgio Oliveira e Ruben Neves, o excelente Ronny Lopes, grande ausente na Rússia, o jovem João Felix, que pode ser a revelação de 2019, e, claro, o avançado Rafael Leão, depois de voltar à competição. E há ainda Renato Sanches, a incógnita.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Portugal acompanha a Argentina, Cristiano Ronaldo acompanha Messi, a FIFA garante o rejuvenescimento das suas galas de fim de ano. Usando uma imagem de Fernando Santos, saem do palco os dois grandes violinistas do futebol contemporâneo, e fica a orquestra uruguaia que tem mais bombos do que violinistas, é certo, mas muito bem afinada.



O seleccionador esperou até ao intervalo para mudar o sistema de jogo e libertar Bernardo Silva, o qual acabou por transformar-se no líder de ataque que a equipa nunca tinha conhecido desde o começo do Mundial, por razões tácticas. Talvez o erro maior desta campanha tenha sido esse mesmo: obrigar o violinista Bernardo a tocar bombo, horas a fio. Mas não chegou, porque os outros violinistas ficaram sem palheta.



Na selecção portuguesa, fez-se ouvir bem forte o bombo de Pepe e em geral Portugal foi melhor do que o Uruguai em luta, pressão e esforço, mas perdeu claramente em inteligência de jogo, ao sofrer a derrota na sua fase melhor e mais confiante de toda a competição, a segunda parte deste último jogo.



Desde 1966 e do célebre jogo com a Coreia do Norte, em que virou uma derrota de 0-3 para 5-3, Portugal perdeu consecutivamente todos os jogos de fases finais de Mundiais em que começou a perder: hoje foi o décimo em tal aconteceu, apesar da raridade de ainda ter conseguido empatar por alguns minutos. E o tempo que Fernando Santos demorou a reagir, depois do primeiro golo logo aos 7 minutos, deixa-nos pensar que, erradamente, essa tendência catastrofista não foi tida devidamente em conta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Começou o Mundial a sério e a França trepou na tabela dos favoritos, com uma exibição de futebol ofensivo como ainda não se tinha visto no campeonato, considerando apenas jogos entre equipas niveladas. Explodiu Mbappé, apareceu Pogba, continuaram a crescer os laterais Hernandez e Pavard e manteve-se Kanté ao mais alto nível.

Como tinha assinalado o treinador Deschamps, trata-se de uma equipa muito jovem. Mbappé, candidato a grande figura da prova, ainda não chegou aos 20 anos. Os laterais têm 22, Pogba 24, Tolisso (que vai jogar na próxima eliminatória por suspensão de Matuidi) tem 23. 

Ainda hoje reflecti sobre os mais jovens de Portugal, que não conseguiram atingir no Mundial o nível de rendimento e a capacidade de afirmação que justificaram a aposta de Fernando Santos, ao longo da última época.

Não há qualquer explicação teórica para esta diferença de maturidade, nem sequer considerando os processos da formação, se pensarmos que qualquer deles, Mbappé, Pavard e Hernandez, passaram ao lado do trajecto das selecções mais jovens, ao contrário dos portugueses. Os três somam apenas 5 jogos nas selecções francesas abaixo dos 19 anos, enquanto só Gonçalo Guedes e André Silva totalizam 68 partidas internacionais, dos sub-15 aos sub-18.

Mas depois lembramo-nos que o Paris Saint Germain adquiriu Mbappé por 120 milhões de euros e dispensou Gonçalo Guedes ao Valência…

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • JQM

    Obrigado pela questão. Cristiano Ronaldo é um ídol...

  • Anónimo

    Se é a verdade porque é que essas memórias deviam ...

  • Jaime Palha

    Lúcido, como sempre. Parabéns.

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...