Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

J Q M

Fui jornalista, estive em todo o tipo de competições desportivas ao longo de mais de 30 anos e realizei o sonho de participar nos Jogos Olímpicos. Agora, continuo a observar o Desporto e conto histórias.

J Q M

Fui jornalista, estive em todo o tipo de competições desportivas ao longo de mais de 30 anos e realizei o sonho de participar nos Jogos Olímpicos. Agora, continuo a observar o Desporto e conto histórias.

07 Jul, 2018

Adeus Ibrahimovic

A Inglaterra eliminou naturalmente a Suécia, num jogo sem grande história, nem memórias para o futuro. O guarda-redes inglês, Pickford, é muito melhor do que o finalizador sueco de serviço, Marcus Berg, e isso fez toda a diferença. Depois de Gabriel Jesus, Werner, Lewandovski, Jorgensen, Seferovic, Higuain e outros proeminentes homens-golo do futebol moderno, foi a vez de Berg sair do Mundial com zero golos em 5 jogos. O francês Giroud ainda está em prova, mas também permanece (...)
Pela quinta vez, sempre em solo europeu (1934, 1966, 1982, 2006 e 2018), os quatro semi-finalistas pertencem à UEFA e um deles será campeão. A Bélgica mudou de identidade, engendrou uma solução diferente em honra do adversário mais difícil e surpreendeu o Brasil, num jogo em que os foras-de-série Courtois, De Bruyne, Hazard e Lukaku estiveram ao melhor nível das suas capacidades, com o guarda-redes a exceder-se, até. Chamam-lhe o efeito da continentalidade, que só por uma vez (...)
03 Jul, 2018

Mina da Colômbia

O mais importante desta noite foi a Inglaterra ganhar finalmente um desempate por grandes penalidades, mas ninguém pode ficar indiferente ao que o jovem defesa central colombiano Yerri Mina realizou nesta prova. Dias depois de ser dispensado pelo Barcelona, ao fim de seis meses e apenas seis jogos na Liga espanhola, Mina tornou-se no primeiro defesa a marcar três golos de cabeça num Mundial, algo só alcançado por grandes avançados como Kocsis, José Augusto, Gerd Muller, Paolo Rossi (...)
03 Jul, 2018

Relógio sueco

A Suécia está nos quartos de final pela primeira vez neste século, com um futebol seco, ritmado e objectivo. Em quatro jogos, apenas sofreu golos (e perdeu no último pontapé do jogo) com a Alemanha, podendo dizer-se que está a realizar uma campanha imaculada. Sem brilho, mas com uma regularidade e segurança impressionantes, com a precisão de um relógio… sueco. Não há uma estrela na selecção sueca - e por isso não sobrou espaço para Ibrahimovic -, onde tudo assenta numa (...)