Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

J Q M

Fui jornalista, estive em todo o tipo de competições desportivas ao longo de mais de 30 anos e realizei o sonho de participar nos Jogos Olímpicos. Agora, continuo a observar o Desporto e conto histórias.

J Q M

Fui jornalista, estive em todo o tipo de competições desportivas ao longo de mais de 30 anos e realizei o sonho de participar nos Jogos Olímpicos. Agora, continuo a observar o Desporto e conto histórias.

CATARSES 2️⃣6️⃣ Morreu Grant Wahl. Um ataque cardíaco fulminante em plena bancada de imprensa do estádio onde acabara de assistir ao Argentina-Holanda do Mundial do Catar. Com 48 anos. É dramático sim, raro, brutal, injusto. Nunca será apenas futebol, nunca será apenas vida ou morte, o Futebol é muito mais que isso - recorrendo novamente à explicação esotérica de Bill Shankly. Conheci Grant Wahl no Mundial de França de 1998, quando ambos acompanhávamos o estágio da (...)
CATARSES 2️⃣5️⃣ Acreditar que D. Sebastião podia assomar ao alto da Serra dos Candeeiros, impante e Vitorioso no seu garanhão branco, era um dos devaneios da minha infância, inspirado pelos cânones negacionistas do regime, naquelas manhãs de geada, neblina e poças de água, a caminho da escola primária. Muitos anos depois, o futebol e a profissão possibilitaram-me trabalhar intensivamente em Marrocos durante mais de um ano. Uma oportunidade única de conhecer a História, (...)
CATARSES 2️⃣4️⃣ Ricardo Reis, o clássico “criativo” de influência brasileira e um dos craques principais do vasto plantel à disposição do seleccionador Fernando Pessoa, atacou o pecado da soberba na ode “Quero ignorado, e calmo”, uma oração à humilde gratidão, muito atual e reflexiva: “Aos que a riqueza toca, o ouro irrita a pele.Aos que a fama bafeja, embacia-se a vida.”“Aos que a felicidade, é sol, virá a noite.Mas ao que nada espera, tudo que vem é (...)
CATARSES 2️⃣3️⃣ “Vivos, mortos ou no mar” - estas eram as opções da roleta russa existencial dos marinheiros de antanho. Assim, também a vida das grandes figuras do futebol enfrenta permanentemente três possíveis “status quo post bellum”, como os rebuscados de Latina se referiam aos resultados das guerras: seguir em frente, ser eliminado ou ficar à mercê de um tiro no escuro.Esta é igualmente a história de Fernando Santos, o treinador português de maior sucesso, (...)
CATARSES 2️⃣2️⃣ Foi há precisamente 200 anos (1822) que D. Pedro, entre a espada e a parede, nas margens de um riacho paulista, proclamou o grito de “independência ou morte” que estabeleceu a libertação do Brasil, mais tarde imortalizado como “Grito do Ipiranga” numa tela a óleo cujo título acabou por se converter em “passe partout” linguístico. O líder da FEMACOSA, cuja ligação ao reino da Federação também já teve melhores dias e estava encostado na (...)
CATARSES 2️⃣1️⃣ Sofres irreparável perda familiar, és processado por agressão a uma criança, cais fora da Champions League porque os grandes clubes desconfiam do teu compromisso, és multado por insubordinação no clube, suspenso por falhas profissionais graves e finalmente despedido por quebra pública de confiança da entidade e da hierarquia. Mudas para a seleção e enfrentas a desconfiança de falta de solidariedade com os colegas e acabas a invectivar gratuitamente o (...)
CATARSES 2️⃣0️⃣ Se pensarmos em Eusébio como um disco (“record”, no inglês) e em Cristiano Ronaldo como um cd, chegamos à metáfora de Neil Young sobre o choque entre gerações: “Steve Jobs foi o pioneiro da música digital, mas quando chegava a casa punha um disco de vinil”. Kylian Mbappé, o fenómeno a quem ouvi ontem chamar de novo “pantera negra”, misto de Eusébio e Pelé, a tornar-se no melhor jogador da era digital, quebrou frente à Polónia o (...)
04 Dez, 2022

Viva o mata-mata

CATARSES 1️⃣9️⃣ E, ao décimo quarto dia, o Mundial começou. É o tempo do “pátria o muerte” guevarista porque o futebol moderno, segundo um dos seus “inventores”, Bill Shankly, é muito mais importante do que uma questão de vida ou de morte. Há quase 20 anos que proclamamos “mata-mata, como dizia o Scolari” para identificar a carga dramática das etapas decisivas dos campeonatos a que, antes do Euro-2004, chamávamos formal e desenxabidamente de “segunda (...)
CATARSES 1️⃣8️⃣ Há um jogador veterano e muito antigo na seleção de Portugal, com uma carreira de sucesso iniciada no Sporting e depois prosseguida em Inglaterra e Itália, a quem o reconhecimento popular valeu ser perpetuado na terra natal com uma estátua vistosa, homenagem exemplar em vida, mas raríssima, quase única, a futebolistas que teimam em adiar a merecida reforma por limite de idade.  Leva mais de dez anos na seleção, ultrapassou a centena de (...)
CATARSES 1️⃣7️⃣ O senhor Anael Ferreira podia ter escolhido para o filho o seu nome hebraico de arcanjo, vulgar de Lineu, o sueco que inventou o método de baptizar os grupos biológicos, mas não. Quis ir ainda um pouco mais longe para distinguir o primogénito, nascido na recôndita Maceió, dos confins do Nordeste brasileiro, povoado de gerações de luso-descendentes únicos e diferenciados. O senhor Anael obteve autorização de Dona Rosilene para chamarem o menino de Kepler (...)