Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Comentários recentes

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...

  • Pedro Oliveira

    Só para conhecimento, pode eliminar o comentário, ...

  • atitopoteu

    o Bruno Fernandes é bom jogador mas, muito, muito ...

  • Anónimo

    Ora nem mais.



subscrever feeds



Descubro agora que o presidente eleito de uma claque de um dos maiores clubes desportivos do país tem cadastro com três condenações a um total de 18 anos de prisão efectiva, por crimes que vão da posse de arma proibida ao sequestro, passando por roubos violentos e deflagração de explosivos, sendo ainda arguido por mais um crime de associação criminosa para roubos violentos.

Fico descansado porque se trata de uma claque legalizada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Frederico Varandas confirma muita inexperiência para a função de presidente neste processo de despedimento do treinador José Peseiro. As dificuldades em nomear o técnico seguinte, o primeiro do seu pontificado, denunciam uma gestão pouco racional.  

1 - A demissão surgiu dois meses fora de tempo. Sendo claro que Peseiro nunca foi o treinador do seu projecto, tema estrategicamente contornado na campanha eleitoral, a substituição teria sido melhor compreendida no dia a seguir à tomada de posse, 

2 - Não se entende, considerando as dificuldades da formação do plantel e dos sobressaltos da pré-temporada;

3 - É precipitada em função dos resultados, remetendo para a demissão de Bobby Robson há 25 anos, por Sousa Cintra;

4 - Pode compreender-se pelo fraco nível exibicional da equipa, ainda que tal nunca tenha sido questionado publicamente ou nos meios de comunicação do clube;

5 - Revela fraqueza da liderança perante os protestos de parte de uma das mais reduzidas assistências dos últimos anos num jogo em Alvalade, começando muito cedo a ceder aos caprichos do que resta da claque;

6 - Evidencia amadorismo na escolha do sucessor, ao não conseguir esconder que não existia uma real alternativa definida com antecedência, ao contrário do que seria de esperar de um presidente que não apoiava o treinador que “herdou”.

Em suma, uma decisão inesperada, aparentemente mais emotiva do que racional, mas irreversível e de consequências devastadoras.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • atitopoteu

    A fina ironia, a insídia e a chico-espertice do me...

  • Anónimo

    Venham penáltis, que o rapaz repete a época passad...

  • Pedro Oliveira

    Só para conhecimento, pode eliminar o comentário, ...

  • atitopoteu

    o Bruno Fernandes é bom jogador mas, muito, muito ...

  • Anónimo

    Ora nem mais.



subscrever feeds